Manuscritos iluminados de Évora expostos em Lisboa

Tendo por base a excecional coleção de manuscritos iluminados e de incunábulos, alguns deles também iluminados, que integram o acervo da Biblioteca Pública de Évora, a exposição “Lux Anima. Um olhar sobre o acervo da Biblioteca de Évora” leva à Biblioteca Nacional um conjunto de obras selecionadas de elevado interesse histórico e artístico do período tardo-medieval e renascentista datadas entre os séculos XIII e XVII.

Considerados entre os mais notáveis códices da sua época existentes em Portugal, os manuscritos e os incunábulos da coleção da BPE provêm de oficinas de alta qualidade técnica e estética de França, Itália, Holanda, entre outras, ou com a sua influência. Neles se evidenciam as virtudes da cor e da luz, determinando a (in)temporalidade dos textos.

Nos últimos anos, alguns destes exemplares têm sido alvo de uma abordagem interdisciplinar nas vertentes da contextualização histórica, codicologia e estudo material, levado a cabo pelo Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades e pelo Laboratório HERCULES, da Universidade de Évora, o que vem contribuindo para um conhecimento mais aprofundado e transversal destas obras.

A exposição divide-se em três núcleos, seguindo uma ordem cronológica. Do primeiro, dedicado ao trabalho nos scriptoria medievais, fazem parte onze manuscritos iluminados (quatro Bíblias, um Canon, dois Missais, o Livro de Capela dos Reis de Inglaterra, o Foral de Évora e três Livros de Horas).

O segundo núcleo está centrado em doze incunábulos que são, também eles, apresentados em três grupos: os iluminados, os de transição (com presença de alguns elementos iluminados) e os que não apresentam já qualquer vestígio de iluminura, destacando-se pela qualidade das gravuras, e que servem  de contraponto às obras iluminadas.

O terceiro e último núcleo segue a mesma lógica de variedade e utilização de cor na decoração dos seus fólios e inclui três manuscritos: um Antifonário originário do mosteiro de S. Bento de Cástris, o Roteiro da Viagem que D. João de Castro fez a primeira vez que foi à India no anno de 1538 e o Livro das Plantas de todas as Fortalezas, Cidades, e Povoações do Estado da Índia Oriental, de António Bocarro e Pedro Barreto de Resende.

“Dirigida a um público diversificado, Lux Anima pretende trazer à luz uma mostra do acervo de obras, na sua maioria iluminadas, da Biblioteca Pública de Évora ou à sua guarda, descodificando-as nas suas vertentes várias e contribuindo para a valorização, divulgação e também preservação do extraordinário património documental desta biblioteca”, assinala fonte da organização.

A mostra é comissariada por Antónia Fialho Conde, Catarina Miguel, Cristina Barrocas Dias, Isabel Cid e Teresa Ferreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *