Vacina contra o sarampo poupa 20 milhões de vidas

Apesar de se ter registado um decréscimo de 79 por cento nas mortes de sarampo a nível global entre 2000 e 2015, perto de 400 crianças continuam a morrer por dia devido a esta doença, segundo um relatório das principais organizações na área da saúde.

Acabar com o sarampo não é uma missão impossível,” afirmou Robin Nandy, chefe dos Programas de Imunização da UNICEF. “Temos os instrumentos e o conhecimento necessários para o fazer; o que falta é vontade política para chegarmos a todas as crianças, mesmo às que estão mais distantes. Sem este compromisso, as crianças continuarão a morrer desta doença que é de prevenção fácil e de baixo custo.”

As campanhas de vacinação em larga escala e um aumento global da cobertura de imunização de rotina contra o sarampo salvaram um total estimado de 20.3 milhões de vidas de crianças entre 2000 e 2015, segundo a UNICEF, a Organização Mundial da Saúde (OMS), a GAVI – a Aliança para as Vacinas e a Imunização, e os Centros para o Controlo e Prevenção de Doenças (CDC).

Mas os progressos foram desiguais. Em 2015, cerca de 20 milhões de bebés não foram vacinados contra o sarampo e um total estimado de 134 mil crianças morreram da doença. A República Democrática do Congo, a Etiópia, a Índia, a Indonésia, a Nigéria e o Paquistão contabilizam metade das crianças menores de um ano que não estão vacinadas, e 75 por cento das mortes devido ao sarampo.

Não é aceitável que milhões de crianças não sejam vacinadas todos os anos. Temos uma vacina segura e altamente eficaz para pôr fim à propagação do sarampo e salvar vidas,” afirmou Jean-Marie Okwo-Bele, diretora do Departamento de Imunização, Vacinas e Biologia da OMS. “Este ano a Região das Américas foi declarada livre de sarampo – prova de que a eliminação é possível. Agora, temos de pôr fim ao sarampo no resto do mundo. E começa com a vacinação.”

O sarampo é um indicador-chave da robustez do sistema de imunização de um país e, demasiadas vezes, os surtos são o primeiro sinal de que há problemas mais graves,” afirma Seth Berkley, CEO da GAVI. “Para combater uma das principais causas de morte de crianças, que são preveníveis através da vacinação, precisamos de compromissos sólidos por parte dos países e dos vários parceiros para incrementar a cobertura de imunização e reforçar os sistemas de vigilância”.

O sarampo, uma doença viral altamente contagiosa que se propaga através de contacto direto e pelo ar, é uma das principais causas de morte entre crianças no mundo. Pode ser prevenida com duas doses de uma vacina segura e eficaz.

Surtos de sarampo em vários países – causados por falhas na imunização de rotina e em campanhas de vacinação em larga escala – continuam a ser um grande desafio. Em 2015, foram reportados surtos muito significativos no Egipto, na Etiópia, na Alemanha, no Quirguistão e na Mongólia. Os surtos na Alemanha e na Mongólia afetaram pessoas mais velhas, o que reforça a necessidade de vacinar os adolescentes e os jovens adultos que não estão protegidos contra o sarampo.

O sarampo tende também a surgir em países em conflito ou em situação de emergência humanitária devido à dificuldade de vacinar todas as crianças. No ano passado, registaram-se surtos na Nigéria, na Somália e no Sudão do Sul.

Texto | SW

Foto | Manuel Camargo (Agência Brasil)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *