Fábulas, opostos que se unem e luvas chinesas. As marionetas estão em Lisboa
2021-05-08
A procura do amor em tempo de covid-19. “97 Dias” chega às livrarias
2021-05-14
Mostrar tudo

“As Vespas de verão picam-nos ainda em novembro”, pela Bruxa Teatro

Texto Margarida Maneta | Foto Álvaro Corte Real

A estrutura de criação e produção A Bruxa Teatro estreia, esta quarta-feira, dia 12, pelas 21:00 horas, no Espaço Celeiros, em Évora, a peça “As Vespas de verão picam-Nos ainda em novembro”, de Ivan Viripaev. O espetáculo tem a interpretação de Duarte Banza, Elsa Pinho e Figueira Cid, que também assina a encenação. Em entrevista à SW Portugal, Figueira Cid levantou a cortina sobre o que esperar desta estreia a nível nacional.

“Trata de três pessoas que se chamam Mark, Joseph e Elena. Mas o público não sabe que eles assim se chamam porque, em cena, chamam-se outras coisas: Robert, Donald ou Sarra. E é aqui que as coisas se complicam: onde é que está a verdade? E é sobre a verdade que a peça fala”, sendo que é, também, um mote para falar de coisas mais sérias, “como de deus, da guerra, dos relacionamentos interpessoais, da hipocrisia ou dos mortos”, revelou o encenador. 

“É uma peça que vai além dos limites do absurdo”, explica Figueira Cid. Este tipo de textos “mais ousados, que saem fora da caixa, quer do ponto de vista da escrita, quer do ponto de vista do desafio que constitui para os autores” são os que “mais interessam” à Bruxa Teatro.

“Gostamos de autores que não são consagrados e hiper-representados em Portugal”, afirmou. “Gostamos de autores que sendo famosos nos seus países de origem, em Portugal são desconhecidos”.

Nesta lógica, a estrutura de criação e produção regressa ao autor russo Ivan Viripaev e tem ainda lugares disponíveis. “Julgo que as pessoas estão desejosas de sair e ir aos espetáculos, mas ainda não o manifestaram de forma evidente”. A peça encontra-se em cena até dia 29 deste mês de maio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *