“Estou sentimentalmente muito agarrado às memórias dos jornais”
2021-04-13
“Cartas Portuguesas”, de Mariana Alcoforado, com nova edição em Espanha
2021-04-14
Mostrar tudo

Ciclo de Concertos de Coimbra em maio, entre a criatividade e a resiliência

Texto Margarida Maneta

“Pontes e (re)encontros” é o mote da sexta edição do Ciclo de Concertos de Coimbra, que irá decorrer entre 28 e 30 de maio. Durante estes dias estão programados vários concertos com nomes nacionais, como o grupo OpuSpiritum Ensemble, Moços do Coro e a Orquestra Arco Ribeirinho, entre outros, e também internacionais, com o maestro romeno Constantin Grigore, o solista romeno Jeffery Macsim e o pianista Artur Pizarro.

No entanto, não são só os concertos que marcam esta edição. Outras iniciativas antecedem a programação principal já a partir deste mês de abril. “Temos este ano a particularidade de o evento não se restringir somente ao último fim-de-semana de maio”, explicou Tiago Nunes, diretor artístico do Ciclo de Concertos de Coimbra, na apresentação online da programação.

“Cerca de 30 atividades vão decorrer entre abril e maio”, esclareceu. Entre elas, estão previstas ações pedagógicas em algumas escolas do distrito, com “intervenções de trios, quartetos ou quintetos nos intervalos”, revelou o presidente da direção da Associação Orquestra de Sopros de Coimbra, António Alves, esclarecendo que como não se pode intervir nas salas de aulas, devido à atual situação pandémica, as ações pedagógicas vão decorrer ao ar livre.

Além desta linha de atuação, a organização pretende também promover uma vertente mais “argumentativa e reflexiva” em torno da “importância de saber ouvir”, continuou Tiago Nunes. Esta atividade culminará com a participação do maestro António Vitorino d’Almeida que a descreveu como “um diálogo, em que todos podem falar, fazer perguntas e defender as suas posições” sobre música. 

Até à data, está previsto que as iniciativas decorram presencialmente, com a lotação permitida pela Direção-Geral da Saúde, mas, em simultâneo, com transmissão online. Por isso, no entender da vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Coimbra, Carina Gomes, este formato torna-se “flexível” e marca o momento em que “a cultura está de volta ao território” numa atitude de “criatividade e resiliência”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *